Follow by Email

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Missa do 4º domingo da Páscoa- Jesus, bom Pastor


Gif de ovelhaNo 4º Domingo da Páscoa celebramos a missa com crianças na matriz da Paróquia da Conceição, onde a liturgia trazia como tema: Jesus, o bom Pastor. A exemplo do pastor que cuida das ovelhas com amor e carinho, Jesus é o nosso Bom Pastor que cuida de sua Igreja, com o zelo de um Pastor. Neste dia a Igreja convidou  a todos a rezarem pelas vocações, principalmente as vocações sacerdotais e religiosas.
 
A santa missa neste dia foi celebrada pelo vigário da Paróquia Pe. Marlone Pedrosa e a animação litúrgica ficou por conta das crianças e catequistas da Catequese Santo Antônio e Santa Luzia. Vejamos alguns momentos:
 
GifRitos iniciais:
 
 
 
 
 
 
GifLiturgia da Palavra


 
 


 
 
 
 
 
 
 
GifLiturgia Eucarística
 
 
 
 
 
 
 
 
 
GifRitos finais
 
História da Ovelhinha  Pom-pom
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Agradecemos ao Senhor por ter nos inspirado em mais esta celebração da missa com as crianças, pois tudo é Com Ele, Para Ele e Por causa Dele. E o nossos agradecimentos a todos que de alguma forma contribuíram para a realização da missa com crianças.
 

 
 
 
 
Gif de ovelha


domingo, 28 de abril de 2013

Conheça os países onde ocorreram a JMJ

 
 

1986-A primeira Jornada Mundial da Juventude, realizada em Roma em 1986, teve como lema "Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês"(1Pd 3, 15). A celebração aconteceu em âmbito diocesano.

1987- A JMJ seguinte, em 1987, o primeiro dos encontros fora de Roma ocorreu em Buenos Aires, na Argentina, com o lema "Nós conhecemos o amor de Deus nos tem, pois cremos nele." ( 1 Jo 4,16). Na ocasião, um milhão de pessoas participaram do evento.

1989- A quarta Jornada Mundial da Juventude se de Compostela, na Espanha. Com o lema : "Eu sou o caminho, a verdade e a vida."( João 14,6)

1991- Em 1991, foi a vez da Polônia, terra natal de João Paulo II. Foi a primeira reunião dele com milhares de jovens em um país leste europeu. A 6ª JMJ aconteceu em Czestochowa, com o lema "Vocês receberam o Espírito que os adota como filhos. " ( Romanos 8,15)

1993- A 8ª JMJ foi realizada em Denver, nos Estados Unidos, em 1993, sob o lema "Eu vim para que tenham vida, e as tenham plenamente" ( João 10,10)

1995- A maior jornada realizada até hoje, em números de participantes, cerca de quatro milhões, aconteceu em Manila, nas Filipinas em 1995, com o lema "Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio"( João 20,21)

1997- Paris, na França, recebeu a 12ª Jornada Mundial da Juventude em 1997 com o lema "Mestre, onde moras? Vinde e vereis."( João 1,38-39)

2000- "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós" ( João 1,14) foi o lema da grande Jornada de 2000, o ano do Jubileu da Juventude. A 15ª JMJ aconteceu em Roma, na Itália e reuniu quase três milhões de jovens.

2002- A 17ª Jornada Mundial da Juventude, em 2002, foi realizada em Toronto, no Canadá, com o lema "Vós sois o sal da terra... Vós sois a luz do mundo"( Mateus 5,13-14). Foi a última jornada com a presença do Papa João Paulo II.

2005- No ano de 2005 a juventude acolheu de braços abertos a primeira jornada conduzida pelo Papa Bento XVI, realizada em sua terra natal, a Alemanha. Colônia foi a cidade sede da 20ª JMJ que teve como lema "Viemos adorá-lo."( Mateus 2,2) e recebeu aproximadamente um milhão e meio de peregrinos.

2008- "Recebereis a força do Espírito Santo, que virá sobre vós, e sereis minhas testemunhas"( Atos 1,8) foi o lema da JMJ da Austrália, em 2008. Na cidade de Sydney milhares de jovens cruzaram os continentes para participar da 23ª edição da Jornada.

2011- Em agosto de 2011 cerca de dois milhões de jovens se reuniram para a 26ª Jornada Mundial da Juventude, realizada em Madri, na Espanha, com o lema "Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé."( Colossenses 2,7)
 
 

A história da Jornada Mundial da Juventude

Há menos de 90 dias da JMJ( Jornada Mundial da Juventude), grande evento católico, toda a Igreja no Brasil  se prepara para acolher jovens do mundo inteiro no Rio de Janeiro e ouvir a voz de nosso Pastor Papa Francisco. Vamos conhecer como surgiu esse grande encontro de fé, oração e comunhão entre os jovens do mundo inteiro.
 
 
A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é uma semana de encontro da juventude de todo mundo para celebrarem e aprenderem sobre a fé católica, para construírem pontes de amizade e esperança entre continentes, povos e culturas. É uma semana intensa para os jovens católicos onde acontece simultaneamente vários eventos como catequeses, orações, missas, confissões, palestras, partilhas e shows, tudo isso em diversas línguas. É um encontro de comunhão entre os jovens e o santo Padre.
 
Inspirada nos grandes encontros de jovens en eventos especiais ocorridos no Domingo de Ramos, em Roma, em 1983 e 1984.Foi criada pelo Papa João Paulo II em 1985 e celebrada pela primeira vez em 1986, em Roma, no Domingo de Ramos. A partir de 1987 e depois a cada dois anos, a Jornada Mundial da Juventude acontece em um país determinado.
 Em 1987, os jovens foram convocados a Buenos Aires, onde 1 milhão de participantes escutaram as seguintes palavras do Papa: “Repito ante vós o que venho dizendo desde o primeiro dia do meu pontificado: que vós sois a esperança do Papa, a esperança da Igreja.” (…) Dois anos depois, 600 mil jovens foram em peregrinação à cidade espanhola de Santiago de Compostela, onde João Paulo II perguntou-lhes: “Por que vieram aqui os jovens dos anos 90, do século 20? Não sentis em vós o espírito do mundo?”
Em 1991, 1,5 milhão de participantes participaram da Jornada no santuário mariano da cidade polonesa de Czestochowa. Depois da queda da “cortina de ferro”, essa foi a primeira ocasião em que os jovens do Leste Europeu puderam participar sem problemas do evento. “O Velho Continente aposta em vós, jovens da Europa Oriental e Ocidental, para construir esta ‘casa comum’ que deve contribuir para um futuro de solidariedade e de paz.
Em 1993, em Denver, diante do impressionante cenário das Rocky Mountains, o Papa chamou os jovens: “Não apagueis a vossa consciência! A consciência é o verdadeiro coração e a parte sacrossanta da pessoa humana, onde se está somente com Deus… Não tenhais medo de sair às ruas e de dirigir-vos ao público… Não é hora de ter vergonha do Evangelho… Não temais abandonar uma vida confortável e acomodada e responder ao desafio de fazer Cristo conhecido na ‘metrópole’ moderna”.
Em Manila (Filipinas) no ano de  1995,   4 milhões de jovens aplaudiram o Papa que evocava a relação com o próximo: “Sois capazes de oferecer vós mesmos, vossas forças e vossos talentos para o bem dos demais? Sois capazes de amar? Sim, vós sois. A Igreja e a sociedade podem colocar grandes esperanças em cada um de vós”.
Em 1997, foram muitos jovens que responderam ao convite do Papa para a Jornada em Paris, que terminou com um evento reunindo quase um milhão de pessoas. Lá, João Paulo II deu um testemunho vivo aos jovens: “Vosso caminho não termina aqui. O tempo não pára no hoje. Saiam às ruas do mundo, às ruas da humanidade e fiquem unidos à Igreja de Jesus Cristo!”
Em 2000, na cidade de Roma, quase 2 milhões de jovens reuniram-se em Roma para estar com o Emanuel, Deus conosco, e ouvirem o chamado à santidade do papa: “Jovens de todos os continentes, não tenhais medo de ser os santos do novo milênio! Sede contemplativos e amantes da oração, coerentes com a vossa fé e generosos no serviço aos irmãos, membros vivos da Igreja e artífices de paz..”
Em Toronto, no Canadá, em 2002,  800 mil pessoas encontraram-se para a última Jornada com o peregrino João Paulo II. O Papa lembrou a todos que o espírito jovem é algo que não pode ser sufocado: “Vós sois jovens e o Papa é idoso, e ter 82 ou 83 anos não é a mesma coisa que ter 22 ou 23.  Juventude de espírito, juventude de espírito! Embora eu tenha vivido no meio de muitas trevas, sob duros regimes totalitários, tive suficientes motivos para me convencer de maneira inabalável de que nenhuma dificuldade e nenhum temor é tão grande a ponto de poder sufocar completamente a esperança que jorra sem cessar no coração dos jovens.”

Em 2005, em Colônia na Alemanha, mais de um milhão de jovens se ajoelharam junto com Bento XVI na vigília de 20 de agosto, repetindo o gesto dos Três Reis Magos que saíram do Oriente para adorar o Emanuel.
Em Sydney, em julho de 2008, como o Papa Bento XVI anunciou: “eu estou feliz em anunciar que a próxima Jornada Mundial da Juventude ocorrerá em Sydney, Austrália, em 2008. Nós confiamos à maternal orientação de Maria Santíssima o curso futuro dos jovens de todo mundo”. A JMJ da Austrália não foi a maior de todas, mas encheu com a graça do Espírito Santo a sociedade australiana, muito marcada pelo ateísmo. Foi uma renovação na igreja local, vinda pelo Rosto Jovem do Corpo de Cristo!
Em agosto de 2011 cerca de dois milhões de jovens se reuniram para a 26ª Jornada Mundial da Juventude, realizada em Madri, na Espanha, com o lema “Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé” (cf. Cl 2, 7).


Em 2013 a vez é do Brasil e ansiosamente a Igreja espera este momento de união com a Igreja Jovem do mundo inteiro e o nosso Pastor. Que as nossas orações possam estar voltadas para este momento de fé que a Igreja do mundo todo, e em especial a Igreja do Brasil, viverá. Momento de fé, momento de repensar a nossa conduta como cristão dentro de uma sociedade que quer a qualquer custo acabar com a fé de nossos jovens e tampar os ouvidos dos jovens ao chamado de Cristo: sede sal na terra e luz no mundo. 
 

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Catequese do Papa Bento XVI- 24/04/2013

Catequese com Papa Francisco - 24/04/2013

 
Queridos irmãos e irmãs, bom dia!
No Credo nós professamos que Jesus “de novo virá na glória para julgar os vivos e os mortos”. A história humana começou com a criação do homem e da mulher à imagem e semelhança de Deus e se conclui com o juízo final de Cristo. Muitas vezes nos esquecemos destes dois pólos da história, e sobretudo a fé no retorno de Cristo e no juízo final às vezes não é assim tão clara e forte no coração dos cristãos. Jesus, durante a vida pública, concentrou-se sempre na realidade da sua última vinda. Hoje gostaria de refletir sobre três textos evangélicos que nos ajudam a entrar neste mistério: aquele das dez virgens, aquele dos talentos e aquele sobre o juízo final. Todos os três fazem parte do discurso de Jesus sobre os fins dos tempos, no Evangelho de São Mateus.
Antes de tudo, recordamos que, com a Ascensão, o Filho de Deus levou para junto do Pai a nossa humanidade por Ele assumida e quer atrair todos a si, chamar todo mundo a ser acolhido entre os braços abertos de Deus, a fim de que, ao final da história, toda a realidade seja entregue ao Pai. Há , porém, este “tempo imediato” entre a primeira vinda de Cristo e a última, que é propriamente o tempo que estamos vivendo. Neste contexto do “tempo imediato” coloca-se a parábola das dez virgens (cfr Mt 25,1-13). Trata-se das dez moças que esperavam a chegada do Esposo, mas estes demoram e elas adormecem. Ao anúncio repentino de que o Esposo está chegando, todas se preparam para acolhê-lo, mas enquanto cinco dessas, prudentes, levaram o óleo para alimentar as próprias lâmpadas, as outras, tolas, permanecem com as luzes apagadas porque não o têm; e enquanto o procuram chega o Esposo e as virgens tolas encontram fechada a porta que introduz à festa de casamento. Batem insistentemente, mas agora é tarde demais, o Esposo responde: não vos conheço. O Esposo é o Senhor, e o tempo de espera pela sua chegada é o tempo que Ele nos dá, a todos nós, com misericórdia e paciência, antes de sua vinda final; é um tempo de vigilância; tempo no qual devemos ter acesas as lâmpadas da fé, da esperança e da caridade, no qual ter aberto o coração ao bem, à beleza e à verdade; tempo de viver segundo Deus, porque não conhecemos nem o dia, nem a hora do retorno de Cristo. Aquilo que nos foi pedido é para estarmos preparados para o encontro – preparados para um encontro, para um belo encontro, o encontro com Jesus – , que significa saber ver os sinais da sua presença, ter viva a nossa fé, com a oração, com os Sacramentos, ser vigilantes para não adormecermos, para não nos esquecermos de Deus. A vida de cristãos adormecidos é uma vida triste, não é uma vida feliz. O cristão deve ser feliz, a alegria de Jesus. Não nos adormeçamos!
A segunda parábola, aquela dos talentos, faz-nos refletir sobre a relação entre como usamos os dons recebidos de Deus e o seu retorno, no qual nos perguntará como os utilizamos (cfr Mt 25,14-30). Conhecemos bem a parábola: antes da partida, o patrão dá a cada servo alguns talentos, a fim de que sejam utilizados bem durante a sua ausência. Ao primeiro doa cinco, ao segundo dois e ao terceiro um. No primeiro dia de ausência, os dois primeiros servos multiplicam os seus talentos – estes são moedas antigas – , enquanto o terceiro prefere enterrar o próprio e conservá-lo intacto para o patrão. Com o seu retorno, o patrão julga os seus operários: elogia os dois primeiros, enquanto o terceiro é lançado às trevas exteriores, porque escondeu por medo o talento, fechando-se em si mesmo. Um cristão que se fecha em si mesmo, que esconde tudo aquilo que o Senhor lhe deu é um cristão … não é cristão! É um cristão que não agradece a Deus por tudo aquilo que lhe deu! Isto nos faz dizer que a espera pelo retorno do Senhor é o tempo de ação – nós estamos no tempo de ação – , o tempo no qual colher os frutos dos dons de Deus não para nós mesmos, mas para Ele, para a Igreja, para os outros, o tempo no qual procurar sempre fazer crescer o bem no mundo. E em particular neste tempo de crises, hoje, é importante não se fechar em si mesmo, enterrando o próprio talento, as próprias riquezas espirituais, intelectuais, materiais, tudo aquilo que o Senhor nos deu, mas abrir-se, ser solidários, ser atentos ao outro. Na Praça, vi que há muitos jovens: é verdade isto? Há muitos jovens? Onde estão? A vocês, que estão no início do caminho da vida, pergunto: já pensaram nos talentos que Deus deu a vocês? Já pensaram em como podem colocá-los a serviços dos outros? Não enterrem os talentos! Apostem em grandes ideais, aqueles ideais que alargam o coração, aqueles ideais de serviço que tornam fecundos os vossos talentos. A vida não é dada para que a conservemos para nós mesmos, mas nos é dada para que a doemos. Queridos jovens, tenham uma grande alma! Não tenham medo de sonhar com coisas grandes!
Enfim, uma parábola sobre o trecho do juízo final, no qual vem descrita a segunda vinda do Senhor, quando Ele julgará todos os seres humanos, vivos e mortos (cfr Mt 25,31-46). A imagem utilizada pelo evangelista é aquela do pastor que separa as ovelhas dos cabritos. À direita estão colocados aqueles que agiram segundo a vontade de Deus, socorrendo o próximo que tem fome, sede, o estrangeiro, nu, doente, encarcerado – disse “estrangeiro”: penso que tantos estrangeiros que estão aqui na diocese de Roma: o que fazemos por eles? – enquanto para a esquerda vão aqueles que não socorreram o próximo. Isto nos diz que nós seremos julgados por Deus sobre a caridade, sobre como o temos amado nos nossos irmãos, especialmente os mais frágeis e necessitados. Certo, devemos sempre ter bem presente que nós somos justificados, somos salvos pela graça, por um ato de amor gratuito de Deus que sempre nos precede; sozinhos não podemos fazer nada. A fé é, antes de tudo, um dom que nós recebemos. Mas para dar frutos, a graça de Deus pede sempre a nossa abertura a Ele, a nossa resposta livre e concreta. Cristo vem trazer-nos a misericórdia de Deus que salva. A nós é pedido para nos confiarmos a Ele, para corresponder ao dom do seu amor com uma vida boa, feita de ações animadas pela fé e pelo amor.
Queridos irmãos e irmãs, olhar para o juízo final não nos cause medo; impulsione-nos para viver melhor o presente. Deus nos oferece com misericórdia e paciência este tempo a fim de que aprendamos a cada dia a reconhecê-Lo nos pobres e nos pequenos, a fim de que nos comprometamos com o bem e sejamos vigilantes na oração e no amor. O Senhor, ao término da nossa existência e da história, possa reconhecer-nos como servos bons e fiéis. Obrigado.
 

Sugestões de atividades- Anúncio do Anjo Gabriel a Maria

Gif de AnjinhosAlgumas sugestões de atividades sobre a história do Anúncio do Anjo Gabriel a Maria. Estas atividades foram retiradas de vários blogs da internet: