Follow by Email

sábado, 31 de dezembro de 2011

2012 e o fim do mundo- qual deve ser nossa atitude



 Iniciamos o ano de 2012. Ano frequentemente presente nos últimos meses na grande mídia (páginas web, redes sociais, e inclusive nas telas de cinema), especialmente por conta de supostas profecias que preveriam o fim do mundo para os seus dias. A esta data se chegou por intermédio de um complexo emaranhado de conjecturas que levariam a crer que o fim dos tempos coincidiria com o fim do calendário Maia, ou seja, em dezembro deste ano.

Afinal, há real motivo para nos preocuparmos?
Em primeiro lugar, há que se dizer que tais supostas profecias não constituem novidades na história da humanidade. Ao longo dos séculos foram muitos os pseudoprofetas que alardearam um fim do mundo iminente gerando grande inquietação entre os mais crédulos. Perderíamos a conta se fôssemos averiguar quantas vezes o “mundo já acabou”. Na própria época em que o Senhor estava em carne mortal em meio a nós, já existiam tais suposições. A resposta de Cristo? “Daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai” (Mc 13,32).
Um cristão não deve se preocupar com estas supostas previsões, pois o mesmo Senhor, que nos revelou todo o necessário para nossa salvação e felicidade, quis preservar no mistério de Deus o dia e a hora em que este mundo teria fim. Como afirma o Catecismo da Igreja Católica (cf. n. 65), em Cristo o Pai nos disse tudo. Não haverá outra revelação além dessa. E o grande doutor místico espanhol, São João da Cruz, afirmava em sua “Subida ao Monte Carmelo”: «Ao dar-nos, como nos deu, o seu Filho, que é a sua Palavra - e não tem outra – [Deus] disse-nos tudo ao mesmo tempo e de uma só vez nesta Palavra única e já nada mais tem para dizer. [...] Porque o que antes disse parcialmente pelos profetas, revelou-o totalmente, dando-nos o Todo que é o seu Filho. E por isso, quem agora quisesse consultar a Deus ou pedir-Lhe alguma visão ou revelação, não só cometeria um disparate, mas faria agravo a Deus, por não pôr os olhos totalmente em Cristo e buscar fora d'Ele outra realidade ou novidade».

O Magistério da Igreja, seguindo os passos de seu Fundador, decretou em 1516, no V Concílio de Latrão: “Mandamos a todos os que estão, ou futuramente estarão, incumbidos da pregação, que de modo nenhum presumam afirmar ou apregoar determinado juízo. Com efeito, a Verdade diz: 'Não toca a vós ter conhecimento dos tempos e momentos que o Pai fixou por Sua própria autoridade'. Consta que os que até hoje ousaram afirmar tais coisas mentiram e, por causa deles, não pouco sofreu a autoridade daqueles que pregam com retidão. Ninguém ouse predizer o futuro apelando para a Sagrada Escritura, nem afirmar o que quer que seja, como se o tivesse recebido do Espírito Santo ou de revelação particular, nem ouse apoiar-se sobre conjecturas vãs ou despropositadas. Cada qual deve, segundo o preceito divino, pregar o Evangelho a toda criatura, aprender a detestar o vício, recomendar e ensinar a prática das virtudes, a paz e a caridade mútua, tão recomendada por nosso Redentor.”
Sabemos, pela fé, que este mundo não é definitivo, e cremos, como rezamos frequentemente no Símbolo Apostólico, que o Senhor voltará glorioso para julgar vivos e mortos. E qual deve ser nossa atitude enquanto Ele não aparece em Sua glória? É o próprio Senhor quem nos responde: “Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor” (Mt 24,42). Essa deve ser, portanto, a nossa atitude: a de espera. É justamente por isso que o fim do mundo jamais deverá surpreender a um fiel cristão, que não pode temer nem a vida, nem a morte. Para ele, o fim do mundo não será uma surpresa, pois ele o espera. Espera ansiosamente o encontro final com o Senhor de sua vida, a alegria sem fim, fruto da contemplação face a face do Amado de nossas almas. Os primeiros cristãos, nossos pais na fé, desejavam ardentemente essa vinda do Senhor ao suplicarem: "Vem, Senhor Jesus!" (cf. Ap 22,20).
A esperança cristã, no entanto, não nos faz desentendermos das coisas desta terra. Ao contrário, pelo fato de esperamos novos céus e nova terra, trabalhamos intensamente para estar preparados para este dia. Diante da consciência de que este mundo - tal qual conhecemos - não durará para sempre, somos interpelados a aproveitar ao máximo cada segundo que a paciência de Deus nos concede, para nos convertermos à Sua santa vontade. Na realização livre dos planos que o Todo-poderoso sonhou desde sempre para cada um de nós está a nossa felicidade, e, em definitiva, é só isso o que importa: querer o querer de Deus.
Certa vez os amigos de um jovem santo - dizem que foi São Luiz Gonzaga - perguntavam entre si o que fariam se soubessem que o mundo acabaria naquele exato momento. As respostas foram muitas: um buscaria confessar-se o quanto antes, o outro procuraria reconciliar-se com os seus familiares, etc. A resposta do santo? “Continuaria jogando, como estou fazendo agora”. Essa tranquilidade é consequência de saber-se em cada momento na vontade de Deus. Quem nela está não se preocupa se o mundo terminará hoje ou amanhã, pois em cada momento está preparado, esperando ansiosamente o encontro último com seu Senhor.

Padre Demétrio Gomes
Diretor do Instituto Filosófico e Teológico do
Seminário Arquidiocesano São José de Niterói
Fonte: Canção Nova.com

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Catequese mistagógica- uma nova proposta de Catequese para os nossos tempos



"Cada vez é mais necessária a mistagogia que conduz ao mistério de Deus. Significa introduzir-nos num mistério que é o maior, mas que conduz a pequenez, que é luz, mas que não cega, que é acolhida , mas que não impõe." - Jon Sobrinho

Mas o que é Mistagogia? Mistagogia é um termo grego que significa "conduzir ao mistério", ou seja a ação de guiar para dentro do mistério. O tema mistagogia aparece em um momento de urgência de renovação da Igreja e das nossas práticas evangelizadoras. Cabe ressaltar que "mistério" não é segredo. Portanto, ser conduzindo ao mistério é encontrar-se com a pessoa de Cristo, acolhendo o designio do Pai(a salvação) na força do Espírito Santo. A experiência cristã, portanto, não é um fiel sentimentalismo vazio, nem um mero aprendizado teórico, mas a experiência viva que leva a pessoa a aderir ao Reino de Deus em comunidade, assumindo a dinâmica renovadora da Páscoa: mistério da morte e ressurreição. 
Portanto se faz necessário que sejamos "iniciados" no mistério, não somente através de Palavras mas através de ações simbólicas, de ritos(celebrações litúrgicas) que tem a função de conduzir para dentro do mistério. Destacamos três caminhos que contribuem para uma catequese mistagógica: a Palavra, a liturgia e a oração.
Não se pode falar de Catequese Mistagógica sem falar em catecumenato. O Diretório Nacional da Catequese afirma: " é a inspiração catecumenal que deve iluminar qualquer processo catequético" (DNC 45). Assim, é a nossa missão construir um itinerário de educação na fé de inspiração catecumenal. Desta forma estaremos favorecendo uma catequese mistagógica.
Para promover uma catequese verdadeiramente mistagógica devemos seguir algumas pistas tais como:
  • Realizar encontros celebrativos
  • Aproximar os catequizandos da liturgia
  • Realizar celebrações catequéticas
  • Realizar celebrações de entrega e ritos de passagem
  • Valorização do tempo litúrgico
  • Conduzir os catequizandos para a participação em atividades evangélico-transformadoras.
Uma catequese verdadeiramente mistagógica necessita de catequistas mistagógicos:catequistas que pela graça do Espírito Santo deixem transbordar de seu interior o encontro decisivo com Cristo e a adesão ao seu Reino contagiando seus catequizandos de amor por Cristo Jesus.Só assim teremos uma catequese mais viva, querigmática, bíblica, orante, celebrativa e mistagógica!

Parabéns Pe. Paulo Alexandre


No último dia 27 de dezembro, Pe. Paulo Alexandre- vigário paroquial- comemorou dois anos de Ordenação sacerdotal.


O sacerdócio é algo sublime na vida de um homem: é um chamado ao serviço do amor, primeiramente do amor a Jesus e por consequência do amor ao próximo. Exige gratuidade e renuncia.É estar pronto para aceitar a vontade de Deus em sua vida e deixar-se guiar por sua vontade.É dizer: Senhor, eu te dou minha vida, com todo amor de meu coração porque eu te amo e tenho uma única necessidade: dar-me aos irmãos na pessoa de Jesus Cristo.

Pe. Paulo, ser padre é ser abençoado e verdadeiramente escolhido por Deus. Sem dúvida nenhuma, somente alguém que tem Deus ao seu lado é capaz de realizar tantos feitos como celebrar a Eucaristia, pregar o Evangelho, acolher os pecadores, orientar e acompanhar como somente um pai pode fazer. Um pai espiritual dado pelo Senhor para nos guiar no caminho da salvação. Agradecemos ao Senhor pela disponibilidade, gratuidade e dedicação à sua missão e por consequência aos filhos de Deus. Pedimos a Deus que te abençõe e te fortaleça na fé para que a cada dia revele com suas palavras e ações a Pessoa de Cristo .

Sugestão de livro para a formação de Catequistas


A formação dos catequistas é atualmente uma das tarefas mais urgentes de nossas comunidades, pois, “o catequista é de certo modo, o intérprete da Igreja junto aos catequizandos” (DCG 35).

A formação dos catequistas deve contemplar aspectos de comunicação, técnicos e didáticos. Momento de oportunidade de crescimento na fé e  na doutrina da Igreja. Momento de conhecimento e partilha de experiências.
Pensando neste apelo que a Igreja nos faz de uma formação continuada e comunitária o Núcleo de Catequese Santo Antônio em seu planejamento estabeleceu que os encontros de formação aconteceria  em reuniões mensais e realizadas todo o último sábado do mês.
Levando-se em consideração a busca de uma catequese mais celebrativa e de fazer uma maior interação catequese e liturgia no núcleo  Santo Antônio   a proposta deste ano  foi o  estudo do livro - Catequese e liturgia-duas faces do mesmo mistério, do autor Pe. Vanildo de Paiva- um ótimo subsidio enriqueceu nossos conhecimentos e foi uma importante ferramenta em nossos trabalhos catequéticos.



Entre outros temas este livro aborda:
  • Jesus: mestre orante;
  • O simbólico na catequese e o uso de símbolos na liturgia;
  • Elementos na Celebração Catequética;
  • Missa e a celebração com crianças;
  • Celebrações especiais na catequese, como a Eucaristia, Crisma e Penitência;
  • Ofício divino na catequese: inclusive alguns ofícios e celebrações postadas no blog são deste livro... e muito mais!!!
  Vale a pena estudar este livro com os catequistas- abaixo está um link da Paulus onde você obterá mais informções sobre este livro.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Sugestão de filme- O encontro perfeito



Nikki Cominsky (Pamela Brumley) é uma advogada bem-sucedida que enfrenta um verdadeiro desafio quando o assunto é família. Certo dia, um convite misterioso é deixado em seu escritório com a seguinte mensagem: “Você está convidada para um jantar com Jesus Cristo”.Certa de que se trata de uma brincadeira, Nikki comparece ao encontro. Entretanto, em meio a uma noite tumultuada, o jantar é cheio de debates e revelações, e ela percebe que acabara de conhecer uma pessoa inesquecível, que jamais tinha visto em sua vida.
Este é um filme muito tocante. Os diálogos entre os personagens nos revela o amor, paciência e cuidado que Jesus tem por nós... nos mostra que Jesus conhece a cada um de nós em nosso íntimo e convida a cada um de nós a ter um encontro pessoal com Ele. Basta aceitar o convite!

Para descontrair - O desafio



Certa vez, o diabo fez um desafio a Jesus:
- Aposto como digito muito mais rápido do que você...
O desafio foi aceito.
No dia marcado, Jesus de um lado com um XT/4.77 Megahertz e o diabo com um Pentium IV/2 Gigahertz, rodando Windows ME, 1024 Megabytes de memória cache. Todos a postos. O Diabo estala os dedos enquanto Jesus olha calmamente para o seu oponente.
Inicia-se a competição.
Aquele que digitasse mais texto em trinta minutos seria o vencedor. O diabo digita de maneira feroz, a uma base de 900 toques/minuto. Do outro lado da sala, Jesus digita usando apenas os dois dedos indicadores, no melhor estilo “catador de milho” em Jerusalém. A platéia fica obviamente nervosa com a performance do Messias, e rói as unhas...
Quinze minutos se passam.
O diabo já digitou cerca de 10 Megabytes de texto, sem erros, enquanto Jesus ainda está na casa dos 5 Kilobytes. Os olhares se tornam mais nervosos.
Vinte e cinco minutos passados.
O diabo já anda pela casa dos 20 Megabytes de texto. Jesus anda pelos 8 Kilobytes...
Vinte e nove minutos passados.
De repente, PLUM... Acaba a luz...
Desespero geral, pânico, gritaria. Os juízes decidem terminar a competição pelo tamanho final do arquivo.
Tamanho final do arquivo de Jesus: 10 Kb.
Tamanho final do arquivo do Diabo: 0 Kb.
- Mas não pode ser... - grita o Diabo. - Isso é roubo. Roubo!
Então os juízes respondem:
- Você esqueceu de algo muito importante:

SÓ JESUS SALVA...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Mensagem aos nossos catequizandos da Primeira Eucaristia





Cada catequizando que passa em nossa vida passa sozinho... porque cada um é único para nós. Assim como somos únicos para Deus e estamos gravados na palma de sua mão, cada criança está gravada em nosso coração. Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, mas não vai só... levam um pouco de nós mesmos e nos deixam um pouco de si mesmos. Por exemplo, o Claudinei nos deixa a sua educação e obediência, a Lídia nos deixa a sua alegria que nos contagiava a cada encontro com seu sorriso sempre aberto, a Laís nos deixa a sua simpatia e meiguice, a Mayra nos deixa seu jeito franco com os colegas, mas ao mesmo tempo solicita e prestativa com os mesmos , o Robert nos deixa sua timidez e silêncio nos ensinando que para ouvir a Deus em nossa vida é necessário silenciar, a Sara nos deixa a sua simpatia e delicadeza em tratar colegas e catequistas, Douglas nos deixa a sabedoria e humildade, Ismael nos mostra na sua pequenez a grandiosidade de coração, Victor nos mostra a superação e a força de vontade em melhorar cada vez mais , Daniel nos contagiou com seu jeito brincalhão e espirituoso mostrando que quem tem Deus em sua vida jamais pode se entristecer e finalmente... Felipe  nos mostrou a perseverança e coragem  em buscar as coisas do alto.  Queremos que vocês levem de nós o nosso abraço amigo, o nosso amor por vocês e principalmente o amor pelo nosso grande mestre, Jesus, aquele que é o amado de nossas almas, que nos impulsiona em nossa missão de ser catequista. Isso não é um adeus, mas é um até logo, esperamos vocês no próximo ano para construirmos  juntos essa relação de amor e fraternidade, pois essa é a mais bela realidade da vida... a prova que cada um é importante e que ninguém passa na vida do outro por acaso.

( Esta mensagem foi lida no momento de ação de Graças na missa de Primeira Eucaristia)

Aos nossos queridos catequizandos fica o nosso amor  e gratidão por terem permitido que entrassemos em suas vidas e compartilhassemos momentos inesquecíveis de amor, partilha de conhecimento, alegria e fraternidade. Beijos em seus corações.


Catequistas Jacqueline, Flávia, Luzia, Fatinha e Cinthia


Primeira Eucaristia - Comunidade Santo Antônio



Após dois anos de preparação com esses catequizandos, finalmente, chegou o dia dessas crianças e um jovem  receber Jesus na Eucaristia. Este foi um dia de muita alegria para nós catequistas  e principalmente para eles que estavam verdadeiramente ansiosos por este encontro com Cristo Jesus.

A missa da Primeira Eucaristia foi realizada no dia 18 de dezembro, na Igreja de Santo Antônio. Ela foi presidida pelo nosso pároco, Pe. José Carlos de Oliveira, e celebrada por toda a comunidade. Foi um momento muito bonito e cheio de emoções.


























Depois de dois anos de preparação com esses catequizandos- que significaram para nós uma perfeita comunhão de amor  e troca de conhecimento, pois eles também nos ensinaram muito-   e de uma semana intensa de atividades terminamos a celebração da Santa Missa um pouco cansadas mas imensamente felizes.




E só desejamos que estes catequizandos continuem firmes e perseverem no Caminho da Senhor Jesus.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Santo Estevão- Primeiro martir da Igreja Cristã

Santo Estêvão foi o primeiro mártir da história do cristianismo. Era judeu da diáspora e morava em Jerusalém. Fazia parte dos sete diáconos que haviam sido encarregados pelos Apóstolos de assistirem os necessitados da comunidade . O seu martírio assinala a ruptura entre cristianismo e judaísmo. Santo Estêvão foi acusado pelos judeus da diáspora de subverter as leis e os costumes, de criticar as instituições e as estruturas consideradas sagradas - o Templo.
Nos capítulos 6 e 7 dos Atos dos Apóstolos encontramos um longo relato sobre o martírio de Estêvão, que é um dos sete primeiros Diáconos nomeados e ordenados pelos Apóstolos. Santo Estêvão é chamado de Protomártir, ou seja, ele foi o primeiro mártir de toda a história católica. O seu martírio ocorreu entre o ano 31 e 36 da era cristã. Eis a descrição, tirada do livro dos Atos dos Apóstolos:
"Estêvão, porém, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Levantaram-se então alguns da sinagoga, chamados dos Libertos e dos Cirenenses e dos Alexandrinos, e dos da Cicília e da Ásia e começaram a discutir com Estêvão, e não puderam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. Subornaram então alguns homens que disseram: 'Ouvimo-lo proferir palavras blasfematórias contra Moisés e contra Deus'. E amotinaram o povo e os Anciãos e Escribas e apoderaram-se dele e conduziram-no ao Sinédrio; e apresentaram falsas testemunhas que disseram: 'Este homem não cessa de proferir palavras contra o Lugar Santo e contra a Lei; pois, ouvimo-lo dizer que Jesus, o Nazareno, destruirá este Lugar e mudará os usos que Moisés nos legou'. E todos os que estavam sentados no Sinédrio, tendo fixado os olhares sobre ele, viram o seu rosto como o rosto de um anjo".




A nossa Igreja celebra seu dia no dia 26 de dezembro a festa do primeiro mártir da Igreja Cristã. Aprendamos com a vida deste santo a ser fiel até o fim... até mesmo em meio a perseguições


Oração a Santo Estevão

Glória a Santo Estêvão, diácono, cheio do Espírito de Deus! Glória a Santo Estêvão que fostes o primeiro mártir do cristianismo, que morrestes vendo os céus abertos e perdoando os inimigos que vos apedrejavam. Que vosso sangue derramado abençoe meu coração, apagando as brasas das mágoas e ressentimentos! É Jesus quem me pede: "Amai vossos inimigos e fazei o bem a quem vos perseguem". Santo Estêvão, dai-me olhos bons para ver todo o bem de meus inimigos, pois o bom Pai do céu envia o sol e chuva tanto para mim como para os que me prejudicaram. Dai-me forças para louvar a Deus pelas boas qualidades que também eles receberam do alto! Desta forma, aquelas doenças físicas, que são frutos de mágoas e ressentimentos, desaparecerão como a névoa, diante do sol que desponta. Dai-me força para que meu perdão se transforme em bênção para quem me prejudicou e o meu sono será tranqüilo e minha religião, verdadeira. Amém.

Confraternização da turma Eucaristia Encontro com Cristo


No sábado  anterior a Primeira Eucaristia fizemos uma confraternização com os catequizandos da Primeira Eucaristia.

Este foi um momento de descontração, momento de relembrar o que vivemos juntos nestes dois anos de preparação e de dar e receber carinho. Organizamos para os catequizandos um lanche e elas organizaram para nós uma bela homenagem surpresa.











domingo, 25 de dezembro de 2011

Encontro com os pais da Primeira Eucaristia


Vivência da Eucaristia como sacramento de amor

1-    Acolhida: Os participantes são acolhidos na porta e gentilmente são acomodados nas cadeiras colocadas em círculos. Todos se cumprimentam em um clima de alegria e fraternidade.

2-    Mantra: Onde reina o amor, fraterno amor, onde reina o amor, Deus aí está!

3-    Motivação: Com poucas palavras, o animador faz a proposta da celebração- reza experiências cotidianas de amor, à luz da Palavra de Deus e do testemunho  de Cristo na última ceia e aprofundar o sentido da Eucaristia como sacramento do amor. Conservar um fundo musical.

4-    Recordação da vida
a)     Nossa vida: Sugerir aos participantes que , em silêncio, recordem bonitas experiências de amor, realizadas em família, na vida comunitária e social. Em seguida, partilhar algumas delas em dupla.
b)    Lembrar a vida de Jesus:  Lembrar alguns momentos significativos da vida de Jesus que revelam o amor infinito de Deus pelo ser humano (milagres, curas, encontros especiais)
c)     Partilha: Dar  oportunidade para que alguns partilhem suas experiências e, num segundo momento, citem fatos da vida de Cristo que mais chamaram atenção.

5-    Escuta da Palavra
Canto: Tua Palavra é lâmpada para os meus pés Senhor/ Tua Palavra é lâmpada para os meus pés Senhor/ Lâmpada para os meus pés Senhor, luz para o meu caminho, lâmpada para os meus pés Senhor luz para os meus caminhos.
Texto bíblico: João 13,1-17.34-35

Silêncio-meditação e partilha

6-    Reflexão dirigida
O animador, acolhendo as idéias dos participantes da celebração, ajude o grupo a perceber a profunda ligação existente entre a vida de Jesus e o sacramento da eucaristia, sacramento de amor.

7-    O sinal do pão
(Durante o canto o pão é trazido até a frente)
Ó Senhor, nós estamos aqui,/ junto à mesa da celebração,/simplesmente atraídos por Vós,/ desejamos formar comunhão!
Refrão: Igualdade, fraternidade,/ nesta mesa nos ensinais  /As lições que melhor educam, na Eucaristia é que nos dais! (bis)
Todos cantam o vosso louvor/ pois em vós todos somos irmãos/ Ouviremos com fé, ó Senhor , os apelos da libertação.
 Este encontro convosco, Senhor,/ incentiva a justiça e a paz;/ nos inquieta e convida a sentir/ os apelos que o pobre nos faz.
8-Salmo 133(132)
Refrão: Oi que prazer, que alegria o nosso encontro de irmãos. (bis)
·        O óleo que nos consagra que ungiu teu servo Aarão. É como um banho perfumado, gostosa é a nossa união.
·        Orvalho de alta montanha, que desce sobre Sião. Sereno da madrugada, gostosa é a nossa união.
·        Ao Deus nosso amado, glória e louvação! No amor da Santa Trindade, gostosa é a nossa união!

8-    Partilha do pão e compromisso eucarístico
O pão é repartido entre todos. Com um pedaço na mão, cada um é convidado a fazer, em silêncio ou em voz alta, seu compromisso com a Eucaristia. Como queremos viver o nosso compromisso com Jesus e levar filhos e afilhados com o exemplo a se comprometer com a Eucaristia.

9-    Conclusão e abraço da paz
·        Deus de amor, que nos abençoa e nos alimenta com o Pão da vida, esteja conosco! Amém!
·        Louvado seja o nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado.

Em preparação à Primeira Eucaristia dos catequizandos da Comunidade de Santo Antônio esta celebração foi realizada com os pais e padrinhos. Refletimos sobre o sentido da Eucaristia e o compromisso do cristão que recebe Jesus na comunhão. Falamos também sobre a responsabilidade de pais e padrinhos e aproveitamos para conscientizar os pais sobre a verdadeira função da Catequese- formar na fé e não somente preparar para Sacramento.






Feliz Natal

Para refletir neste Natal- Mensagem



Acordei nesse  dia de Natal  com vontade de comprar um presente para Jesus, afinal, não existe maior amigo que o Mestre dos Mestres.
Sai cedo de casa e fui a melhor loja da cidade, pensei primeiramente numa camisa branca, mas quando vi que o branco mais branco da Terra ainda era cinza perto da sua pureza, fiquei com vergonha e desisti.Em outra vitrine vi um sapato de couro, lindo e caríssimo, mas quando lembrei dos seus pés calçados pelas sandálias da missão cumprida, achei que não existiria na Terra algo tão confortável que merecesse seus pés.Uma caneta, foi isso que a próxima vitrine me apresentou, uma linda caneta de marca famosa, seria um lindo presente, mas lembrei-me que Ele nunca escreveu nada, tudo que Ele falou, mostrou na prática, servindo e amando sempre.
Lembrei-me, que um dia Ele falou que não tinha sequer um travesseiro para recostar sua cabeça, e pensei no melhor travesseiro de plumas de uma loja especializada em sono, era importado e muito confortável, mas lembrei-me que os justos dormiam tranqüilos e que Ele jamais usaria o travesseiro.
E, assim fui olhando as vitrines, abotoaduras de ouro, malas de viagem, comidas importadas, tudo supérfluo, tudo matéria que o tempo iria corroer. Confesso que sai um pouco chateado da loja , afinal eu saíra para comprar um presente para o Senhor Jesus, e não havia achado nada.
Na porta da loja um menino muito miudinho sorriu para mim, perguntou meu nome e eu o dele, ele riu e me estendeu a mão, tinha o rosto muito sujo, as mãos encardidas, perguntei pela sua mãe, ele deu de ombros, sobre o pai, nem sabia onde estava...perguntei se ele queria tomar um lanche, ele sorriu um sim, pegou na minha mão.
Então entrei na loja e comprei para ele algumas roupas, um sapato novo e alguns brinquedos... pois sabe como as crianças gostam de brinquedos!
Na lanchonete sentou na cadeirinha giratória e sorriu como "reizinho", e entre uma montanha de batatas fritas, ríamos felizes como dois velhos amigos.Falamos sobre bolinha de gude, pipas e bola de futebol, coisas importantes para o ser humano, principalmente quando somos crianças. Devoramos dois lanches, e quando perguntei se ele queria um sorvete gigante como sobremesa, seus olhos brilharam feito o sol, pedi um instante, fui até o caixa, quando voltei com os sorvetes na mão ele já não estava ali... Por instantes pensei que ele tinha ido ao banheiro, ou estaria olhando a lanchonete, mas não estava ali mesmo.
Foi quando sobre a caixa de batatas vazias vi um papelzinho, um bilhetinho escrito com letra miúda que dizia assim:"Obrigado pelo melhor presente de aniversário que poderia me dar: Fizeste feliz um dos pequeninos do mundo!" assinado, Jesus.

Feliz e santo Natal para todos e reflitam: o verdadeiro Natal acontece no coração daqueles que acolhem Jesus em seu coração e o transmitem ao próximo através de gestos de amor, paz e solidariedade.




Exame de consciência para crianças



Este exame de consciência foi feito com as crianças no momento da Celebração Penitencial em preparação a Primeira Confissão. O catequista ia lendo os tópicos e as crianças iam marcando no parenteses. Este exame de consciência deve ser iluminado a Luz da Palavra de Deus e o catequista deve ter cuidado para não adotar uma postura punitiva e sim com toda a calma e confiança revelar um Deus que não ama o pecado, mas acolhe o pecador.

Exame de consciência para a Confissão das Crianças

O MEU COMPORTAMENTO COM DEUS
(  ) Rezo todos os dias, devagar e com atenção, as orações da manhã e da noite?
(  ) Lembro-me de Deus durante o dia?
(  ) Não tenho o mau hábito de falar dEle com pouco respeito?
(  ) Participo da Santa Missa todos os domingos e dias de guarda sem preguiça?
(  ) Escuto com atenção a Palavra de Deus?
(  ) Acompanho bem as orações?
(  ) Chego cedo à Missa e assisto de boa vontade, não atrapalhando os outros?
(  ) Tenho o desejo de conhecer melhor Nosso Senhor?
(  ) Quero fazer sempre o que Ele diz e comportar-me como Ele quer?
(  ) Na igreja, comporto-me com respeito?
(  )Lembro-me de que a igreja é a casa de Deus, não corro, não converso durante a missa, não passo pelo altar sem cumprimentar Jesus no sacrário com uma genuflexão bem feita?
(  ) Vou à igreja bem vestido, com uma roupa própria e descente?
(  ) Amo Nossa Senhora e converso todas as noites com Ela?
(  ) Rezo a Ave-Maria, pensando que Ela é a Mãe de Jesus e me ama como a um filho?
( ) Falo todas as manhãs com o Anjo da Guarda para que me acompanhe e me proteja durante todo o dia?
(  ) Quando recebo uma boa notícia, agradeço ao Senhor todas as coisas boas que Ele me deu? Sei que não fui eu que fiz tudo e lembro que é um presente do meu Pai-Deus?

O MEU COMPORTAMENTO COM A FAMILIA E COM O PRÓXIMO
(  ) Sou carinhoso com o meu pai e a minha mãe?
(  ) Sou carinhoso com o meus irmãos?
(  ) Sou carinhoso com o meus avós?
(  ) Sei agradecer o carinho que os meus pais têm por mim?
(  )Não respondo com má educação e nem os deixo tristes com o meu comportamento?
(  ) Obedeço rapidamente aos meus pais, sem reclamar?
(  ) Sei que aquilo que me dizem é para o meu bem?
(  ) Falo sempre a verdade, mesmo que tenha que passar vergonha?
(  ) Gosto de ajudar em casa?
(  ) Trato com respeito os meus avós e as pessoas mais velhas?
(  ) Não sou egoísta com as minhas coisas? Sei emprestá-las  sempre e dividi-las com os meus irmãos e amigos?
(  ) Na escola, comporto-me bem com todos?
(  ) Assisto bem às aulas?
(  ) Não converso enquanto o professor está falando?
(  ) Não perco o tempo e nem atrapalho os meus colegas?
(  ) Dedico ao estudo o tempo suficiente?
(  ) Não brigo com os meus companheiros?
(  ) Nas brincadeiras, não me importo em vencer ou perder, sou leal e respeito as regras do jogo?
(  ) Sei perder sem ficar com raiva?
(  ) Sei ser amigo dos meus companheiros?
(  ) Ajudo-os nas necessidades?
(  ) Não faço brincadeiras de mau-gosto com eles?
(  ) Não faço fofocas?
(  ) Sei perdoar os colegas quando me fazem um pequeno desaforo?
(  ) Não tenho inveja das coisas que eles fazem?
(  ) Sou sincero?
(  ) Falo sempre a verdade, mesmo que me custe?
(  ) Não invento coisas?
(  ) Não minto?
(  ) Não digo que fiz coisas certas, quando na verdade fiz tudo errado e mal feito?
(  ) Falo sempre a verdade aos meus pais?

O MEU COMPORTAMENTO COMIGO MESMO
(  ) Não peguei coisas que não são minhas sem pedir?
(  ) Nunca roubei alguma coisa, nem mesmo de pouco valor?
(  ) Não uso mal as minhas coisas, não desperdiço-as nem estrago-as?
(  ) Deixo de pegar para mim algumas coisas de que gosto, para oferecê-las a Jesus e dá-las aos pobres?
(  ) Faço logo as coisas que devo fazer?
(  ) Não tenho má vontade e nem preguiça?
(  ) Não escolho as coisas mais fáceis e nem deixo as mais difíceis para a última hora?
(  ) Faço todos os dias os meus deveres da escola?
(  ) Sigo sempre as orientações dos professores?
(  ) Não deixo as coisas pela metade, faço tudo até o fim?
(  ) Não sou desordenado?
(  ) Não deixo as coisas que uso jogadas de qualquer jeito?
(  ) Sei ter e seguir um horário?
(  ) Sou pontual nos meus compromissos?
(  ) Não falto à aula por preguiça?
(  ) Não sou guloso e nem caprichoso demais?
(  ) Não estou sempre reclamando?
(  ) Sei contentar-me com o que me dão?
(  ) Não deixei-me levar pela curiosidade ruim?
(  ) Não olhei revistas e fotografias indecentes, nem programas de televisão que não prestam?
(  ) Sei ter respeito por mim mesmo e pelo meu corpo?
(  ) Evito gestos ou atos contrários à santa pureza?
(  ) Cuido da higiene e da modéstia?
(  ) Não uso uma linguagem grosseira?
(  ) Não falo palavrões?
(  ) Não ofendo os outros?
(  ) Não faço fofocas?
(  ) Não sou mal-educado com os meus pais e professores?

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Preparação ao Sacramento da Reconciliação- Celebração penitencial



O momento de receber este valioso Sacramento- a reconciliação ou confissão- na maioria das vezes é permeado pelo medo ou ansiedade das crianças. É comum vermos crianças aflitas na fila de confissão, decorando o "ato de contrição" e contanto nos dedos os pecados, um a um, inúmeras vezes, para não deixar nenhum para trás!

É nosso dever como catequista quebrar este tabu que cerca este sacramento tão bonito de nossa Igreja e despertar nas crianças o verdadeiro sentido deste sacramento e os frutos que ele pode produzir em nós: conversão contínua, exame permanente de nossas posturas  que leva a uma vida cada vez mais sintonizada com o Projeto de Deus . Temos que valorizar este sacramento tirando-o da sombra da Eucaristia e realizar no decorrer do processo catéquetico celebrações penitenciais , principalmente em tempos fortes da liturgia como a Quaresma, acostumando os catequizandos a fazer silêncio, examinar sua consciência, pedir perdão e viver esse compromisso em seu cotidiano.

Por ocasião da Primeira Eucaristia realizamos com os catequizandos que iriam receber a Eucaristia  uma celebração penitencial, mostrando para elas o sentido do Sacramento da Confissão. Marcamos este compromisso com as crianças no dia em que o sacerdote iria confessá-las.

Fizemos um texto da Palavra de Deus, seguido de uma reflexão , um bom roteiro de exame de consciência, alegria e o louvor pelo perdão que elas iriam receber no Sacramento da Confissão.


Celebração penitencial em preparação a Primeira Confissão

Mantra: Eu canto alegria Senhor, de ser perdoado no amor!(bis)
Acolhida: Sejam todos bem-vindos para a Celebração da Reconciliação. Queremos encontrar-nos com o Pai, que nos ama e nos perdoa. Queremos reconciliar-nos com Ele, pedir perdão e voltar para junto dele. Neste momento vamos preparar-nos para  o Sacramento da Reconciliação, que é sinal do amor de Deus. Iniciemos acolhendo a cruz de Cristo, que é penhor de nossa salvação.
Canto: Ninguém te ama como eu, ninguém te ama como eu/ olha para a cruz esta é a minha grande prova/ ninguém te ama como eu. (bis)
Estamos aqui reunidos em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Motivação: Pecar é errar o alvo do amor de Deus: O pecado nos afasta da graça de Deus. Quando deixamos o pecado entrar em nossa vida nos afastamos de Deus e permitirmos que o mau  entre em nossa vida.
Canto de aclamação: Tua palavra é lâmpada para os meus pés Senhor/ Tua Palavra é lâmpada para os meus pés Senhor/ lâmpada para os meus pés Senhor/ luz para o meu caminho.
Texto bíblico: A parábola do Filho Pródigo- Lucas 15
(Fazer uma breve reflexão sobre o texto relacionando-o com o Sacramento da Confissão)
Sacramento da Reconciliação
Este é um momento feliz para vocês! Pela primeira vez vão receber o sacramento da confissão:
A Igreja recebeu, através dos sacerdotes,  o poder de perdoar os pecados no dia da Ressurreição do Senhor. Para fazer uma boa confissão, é necessário :
a) um bom e honesto exame de consciência diante de Deus;
b) arrependimento sincero por ter ofendido a Deus e ao próximo;
c) firme propósito diante de Deus de não pecar mais, mudar de vida, se converter;

d) confissão objetiva e clara a um sacerdote;

e) cumprir a penitência que o padre nos indicar.

Vamos então fazer o exame de consciência: ( exame de consciência da folha)              
Após o exame de consciência canta-se: Este pranto em minhas mãos (Ghislane Cantini- CD Convite)