Follow by Email

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Catequese do Papa Bento XVI- A fé da Igreja 31/10/2012

Boletim da Santa Sé
(Tradução: Jéssica Marçal e Thaysi Santos - equipe CN Notícias)



Queridos irmãos e irmãs,

Continuamos no nosso caminho de meditação sobre a fé católica. Na semana passada mostrei como a fé é um dom, porque Deus que toma a iniciativa e vem ao nosso encontro; e assim a fé é uma resposta com a qual nós O acolhemos como fundamento estável da nossa vida. É um dom que transforma a existência, porque nos faz entrar na mesma visão de Jesus, o qual opera em nós e nos abre ao amor através de Deus e dos outros. 
Hoje gostaria de dar um outro passo na nossa reflexão, partindo, uma vez mais, de algumas perguntas: a fé tem um caráter somente pessoal, individual? Interessa somente a minha pessoa? Vivo a minha fé sozinho? Certo, o ato de fé é um ato eminentemente pessoal, que vem do íntimo mais profundo e que sinaliza uma troca de direções, uma conversão pessoal: é a minha existência que recebe um ponto de viragem, uma orientação nova. Na Liturgia do Batismo, no momento das promessas, o celebrante pede para manifestar a fé católica e formula três perguntas: crês em Deus Pai onipotente? Crês em Jesus Cristo seu único Filho? Crês no Espírito Santo? Antigamente, estas perguntas eram voltadas pessoalmente àqueles quem iam receber o Batismo, antes que se imergisse por três vezes na água. E também hoje a resposta está no singular: Creio. Mas este meu crer não é resultado de uma reflexão minha, solitária, não é o produto de um pensamento meu, mas é fruto de uma relação, de um diálogo, no qual tem um escutar, um receber e um responder; é o comunicar com Jesus que me faz sair do meu “eu” fechado em mim mesmo para abrir-me ao amor de Deus Pai. É como um renascimento no qual me descubro unido não somente a Jesus, mas também a todos aqueles que caminharam e caminham na mesma via; e este novo nascimento, que inicia com o Batismo, continua por todo o percurso da existência. Não posso construir a minha fé pessoal em um diálogo privado com Jesus, porque a fé é doada a mim por Deus através de uma comunidade crente que é a Igreja e me insere assim na multidão dos crentes em uma comunhão que não é só social, mas enraizada no amor eterno de Deus, que em Si mesmo é comunhão do Pai, do Filho e do Espírito Santo, é Amor trinitário. A nossa fé é verdadeiramente pessoal, somente se é também comunitária: pode ser a minha fé somente se vive e se move no “nós” da Igreja, só se é a nossa fé, a fé comum da única Igreja.
Aos domingos, na Santa Missa, recitando o “Credo”, nós nos expressamos em primeira pessoa, mas confessamos comunitariamente a única fé da Igreja. Aquele “credo” pronunciado singularmente nos une àquele de um imenso coro no tempo e no espaço, no qual cada um contribui, por assim dizer, a uma polifonia harmoniosa na fé. O Catecismo da Igreja Católica resume claramente assim: “‘Crer’ é um ato eclesial. A fé da Igreja antecede, gera, apoia e nutre a nossa fé. A Igreja é Mãe de todos os crentes. ‘Ninguém pode dizer ter Deus como Pai se não tem a Igreja como Mãe’ [são Cipriano]” (n. 181). Também a fé nasce na Igreja, conduz a essa e vive nessa. É importante recordar isso.
No início da aventura cristã, quando o Espírito Santo desce com poder sobre os discípulos, no dia de Pentecoste – como narram os Atos dos Apóstolos (cfr 2, 1-13) – a Igreja nascente recebe a força para atuar na missão confiada pelo Senhor Ressuscitado: difundir em cada lugar da terra o Evangelho, a boa notícia do Reino de Deus, e conduzir, assim, cada homem ao encontro com Ele, à fé que salva. Os Apóstolos superam todo o medo ao proclamar isso que tinha ouvido, visto e experimentado na pessoa de Jesus. Pelo poder do Espírito Santo, começam a falar em línguas novas, anunciando abertamente o mistério do qual foram testemunhas. Nos Atos dos Apóstolos nos vem dito o grande discurso que Pedro pronuncia propriamente no dia de Pentecoste. Ele parte de uma passagem do profeta Joel (3, 1-5), referindo-se a Jesus, e proclamando o núcleo central da fé cristã: Ele que tinha beneficiado todos, que tinha sido creditado por Deus com milagres e grandes sinais, foi crucificado e morto, mas Deus o ressuscitou dos mortos, constituindo-lhe Senhor e Cristo. Com Ele entramos na salvação definitiva anunciada pelos profetas e quem invocar o seu nome será salvo (cfr At 2,17-24). Ouvindo estas palavras de Pedro, muitos se sentem pessoalmente desafiados, se arrependem de seus pecados e são batizados recebendo o dom do Espírito Santo (cfr At 2, 37-41). Assim começa o caminho da Igreja, comunidade que leva este anúncio no tempo e no espaço, comunidade que é o Povo de Deus fundado na nova aliança graças ao sangue de Cristo e cujos membros não pertencem a um determinado grupo social ou étnico, mas são homens e mulheres provenientes de cada nação e cultura. É um povo “católico”, que fala línguas novas, universalmente aberto a acolher todos, além de todos os limites, quebrando todas as barreiras. Diz São Paulo: “Aqui não há grego ou judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre, mas Cristo é tudo em todos” (Col 3,11).
A Igreja, portanto, desde o início é o lugar da fé, o lugar da transmissão da fé, o lugar onde, pelo Batismo, se é imerso no Mistério Pascal da Morte e Ressurreição de Cristo, que nos liberta da escravidão do pecado, nos doa a liberdade de filhos e nos introduz da comunhão com o Deus Trinitário. Ao mesmo tempo, estamos imersos na comunhão com os outros irmãos e irmãs de fé, com todo o Corpo de Cristo, retirados do nosso isolamento. O Concílio Ecumênico Vaticano II o recorda: “Deus quis salvar e santificar os homens não individualmente e sem qualquer ligação entre eles, mas quis constituir deles um povo, que o reconhecesse na verdade e fielmente O servisse” (Cost. dogm. Lumen gentium, 9). Ao lembrar a liturgia do Batismo, notamos que, na conclusão das promessas em que expressamos a renúncia ao mal e repetimos “creio” na verdade da fé, o celebrante declara: “Esta é a nossa fé, esta é a fé da Igreja e nós nos glorificamos de professá-la em Cristo Jesus Nosso Senhor”. A fé é virtude teologal, doada por Deus, mas transmitida pela Igreja ao longo da história. O próprio São Paulo, escrevendo aos Coríntios, afirma ter comunicado a eles o Evangelho que por sua vez também ele tinha recebido (cfr 1 Cor 15,3).
Há uma cadeia ininterrupta de vida da Igreja, de anúncio da Palavra de Deus, de celebração dos sacramentos, que vem a nós e que chamamos de Tradição. Isso nos dá a garantia de que aquilo em que acreditamos é a mensagem original de Cristo, pregada pelos apóstolos. O núcleo do anúncio primordial é o evento da morte e ressurreição do Senhor, da qual brota toda a herança da fé. Diz o Concílio: "A pregação apostólica, que está expressa de modo especial nos livros inspirados, devia ser repassada com sucessão contínua até o fim dos tempos" (Constituição dogmática. Dei Verbum, 8). Deste modo, se a Bíblia contém a Palavra de Deus, a Tradição da Igreja a preserva e a transmite com fidelidade, para que os homens de cada época tenham acesso a seus vastos recursos e se enriqueçam com seus tesouros de graça. Assim, a Igreja, "em sua doutrina, em sua vida e em seu culto transmite a todas as gerações tudo o que ela é, tudo em que acredita" (ibid.).
Finalmente, gostaria de salientar que é na comunidade eclesial que a fé pessoal cresce e amadurece. É interessante notar que no Novo Testamento, a palavra "santos" se refere a cristãos como um todo e, certamente, nem todo mundo tinha as qualidades para ser declarado santo pela Igreja. O que se queria indicar, então, por este termo? O fato de que aqueles que viviam a fé no Cristo ressuscitado eram chamados a se tornar um ponto de referência para todos os outros, colocando-os em contato com a Pessoa e a Mensagem de Jesus, que revela o rosto do Deus vivo. E isso vale também para nós: um cristão que se deixa guiar e plasmar pouco a pouco pela fé da Igreja, apesar de suas fraquezas, suas limitações e suas dificuldades, torna-se como uma janela aberta à luz do Deus vivo, que recebe essa luz e a transmite ao mundo. O Beato João Paulo II, na Encíclica Redemptoris missio, afirmava que "a missão renova a Igreja, revigora a fé e a identidade cristã, dá novo entusiasmo e novas motivações. A fé se fortalece se doando. "(n. 2).
A tendência, hoje generalizada, de relegar a fé ao âmbito privado, portanto, contradiz a sua própria natureza. Nós precisamos da Igreja para confirmar a nossa fé e experimentar os dons de Deus: a Sua Palavra, os sacramentos, o apoio da graça e o testemunho do amor. Assim, o nosso "eu" no "nós" da Igreja será capaz de se perceber, ao mesmo tempo, destinatário e protagonista de um evento que o supera: a experiência da comunhão com Deus, que estabelece a comunhão entre as pessoas. Em um mundo em que o individualismo parece regular as relações entre as pessoas, tornando-as sempre mais frágeis, a fé nos chama a ser povo de Deus, a ser Igreja, portadores do amor e da comunhão de Deus para todo gênero humano. (ver Constituição Pastoral. Gaudium et spes, 1). Obrigado por sua atenção.

 

O posicionamento da Igreja Católica quanto a festa do Halloween

O Vaticano fez duras críticas a  festa de Halloween, feriado de Dia das Bruxas comemorado em 31 de outubro, um dia antes do Dia de Todos os Santos, da Igreja Católica. Segundo o "Daily Mail",. A instituição afirmou ser uma data "anticristã" e "perigosa", por ter ligação com o oculto.
 

Em um artigo intitulado "As perigosas mensagens do Halloween", o jornal oficial do Vaticano, "L'Osservatore Romano", citou o perito litúrgico Joan Maria Canals, que disse que "o Dia das Bruxas é uma corrente do ocultismo e completamente anticristão".
"L'Osservatore" elogiou uma igreja em Alcala de Henares, que decidiu realizar uma vigília de oração na noite de sábado, e também a ideia da arquidiocese de Paris de fazer um dia de imersão para as crianças, batizado de "Holywins" ("o sagrado vence", na tradução do inglês).
A Igreja Católica da Itália vê com maus olhos o crescimento da popularidade da festa de Dia das Bruxas nos últimos anos. Em 2008, o jornal "Avvenire", dos bispos italianos, apelou para um completo boicote e descreveu o Dia das Bruxas como uma "perigosa celebração do terror e do macabro". 
A Arquidiocese do México, em um artigo sobre a festa de Halloween no semanário "Desde la Fe", disse que "se procuramos ser fiéis à nossa fé e aos valores do Evangelho, teríamos que concluir que a atual festa do Hallowen não só não tem nada a ver com a celebração que deu origem, mas também é nociva e contrária à fé e a vida cristã". A Arquidiocese considera que o Halloween "rende honra a uma cultura da morte, que é produto da mescla de costumes pagãos" e o mais grave "é que a festividade foi se identificando com grupos neopagãos e celebrações satânicas e ocultistas".
No texto intitulado "Perguntas frequentes sobre o Halloween", o Arcebispado afirma que essa celebração dista muito do que devem celebrar os cristãos, por isso exortou aos fiéis a não celebrar o Halloween. Afirma ainda que em alguns países como México, Irlanda e Estados Unidos são realizadas, durante esta festa, missas negras, cultos esotéricos e outras reuniões relacionadas com o mal e o ocultismo".
O artigo também questiona o costume, principalmente entre crianças, de disfarçarem-se de bruxas, vampiros, fantasmas e monstros, e convida os pais a, no dia 1º de novembro, disfarçarem seus filhos de personagens bíblicos ou alguma pessoa que "saibam que foi boa e que, portanto, certamente estará no céu".
 

Vemos assim que a tradição de comemorar as bruxas ou outros espíritos não é cristã e deve ser evitada, ainda que tenha apenas uma conotação folclórica. Devemos, sim, celebrar o dia de todos os Santos. 

Halloween- cuidado... tudo nos é permitido, mas nem tudo nos convém!

GifOrigem do Halloween( dia das Bruxas)


De acordo com a história, este dia originou-se nos antigos festivais de outono dos Celtas, que eram ligados à feitiçaria e à magia. Nesse dia, acredita-se que o portal que separa os mortos dos vivos se abre, e os mortos passam a ter contato com os vivos, ou seja, o dia em que os mortos voltam.No livro Wicca, de Gary Contrell, Wicca-Crenças e Práticas, na pagina 95, o autor faz o seguinte relato referente a Halloween: "O Sabá do Samhaim celebra o ciclo eterno da reencarnação e marca o início do inverno céltico. O velho Deus morre nesta noite para renascer no Yule, dando continuação à Roda da Vida do Ano". E em seguida destaca: "Se o ritual for adequadamente feito, geralmente se percebe a presença de amigos invisíveis."
O Halloween que conhecemos hoje teve a influência de muitas culturas no decorrer dos séculos . É uma festa muito popular nos Estados Unidos e Inglaterra, e é celebrada no dia 31 de outubro. Os celtas da Bretanha Antiga cultuavam a natureza e tinham muitos deuses, sendo o deus Sol seu favorito, pois era "ele" quem determinava o tempo de trabalho e o tempo de descanso, além de ser também o responsável pela beleza da Terra e a fartura da colheita.
Eles acreditavam que bruxas, demônios e espíritos de pessoas mortas ficavam pairando na véspera de 1º de novembro, quando celebravam o Ano Novo. Era o fim da estação do sol e início da estação do frio e da escuridão. Para eles, nesta época de inverno o deus Sol era mantido como prisioneiro de Samhain, o deus da morte e Príncipe da Escuridão.
Na noite anterior ao Ano Novo, 31 de outubro, os celtas acreditavam que Samhain reunia todas as pessoas mortas. E os mortos assumiam diferentes formas, sendo que os maus espíritos adquiriam forma de animais. Os piores deles se transformavam em gatos. Para se proteger dos maus espíritos, os sacerdotes celtas, chamados druidas, ofereciam a eles coisas para comer e se disfarçavam com máscaras, para que os espíritos não lhes fizessem mal.
Essa oferenda era realizada através de um ritual realizado na floresta, entre os carvalhos (considerados árvores sagradas). Acendiam fogueiras e, enquanto dançavam ao redor do fogo, realizavam o sacrifício de animais, que era oferecido juntamente com as colheitas. Ao amanhecer os druidas davam a cada família uma centelha daquela fogueira para que ela acendesse com ele o fogo com o qual iria cozinhar. Acreditava-se, assim, a casa estaria mantida livre dos maus espíritos.

GifSimbolismo do Halloween

Infelizmente vemos nos últimos anos a mídia, as escolas e muitos outros canais tem divulgado esta festa tenebrosa entre os cristãos como algo comum e inofensivo. Mas não é bem assim! Nesta festa existem muitos rituais que remetem ao ocultismo e bruxaria. Cuidado! Devemos conhecer o verdadeiro significado, o simbolismo de cada peça ou brincadeira utilizada nesta festa macabra. Após conecermos o verdadeiro significado, muitos cristãos deixarão de festejar e até mesmo denunciar aos outros cristãos o simbolismo que cerca o Halloween( dia das bruxas).


GifAbóbora com o rosto- Originou-se da lenda de um homem chamado Jack. Ele morreu, mas foi lhe negado a entrada tanto no céu, como no inferno. Então, condenado a viver perambulando pela terra como uma alma penada, ele colocou uma brasa brilhante num grande nabo oco, para iluminar o seu caminho à noite. Este talismã virou a abóbora que simboliza Jack.


Gato preto- Os gatos eram objetos de adoração e estavam presentes nesta festividade. Acreditava-se que, após um período de silêncio, com a busca da meditação, o próprio diabo aparecia na forma de um gato preto.


Velas - Neste dia, são usadas muitas velas marrons e alaranjadas.
 
 
Pentagrama- O pentagrama tem sido usado como amuleto, mas ele é um símbolo básico da feitiçaria. É o ponto central do trabalho de encantamento e, geralmente, é colocado sobre ou na frente do altar.
Pescar maçãs em tonel - Esta antiga prática surgiu da adivinhação do futuro. O participante que obtivesse sucesso, poderia contar com a ajuda dos espíritos para a realização amorosa com a pessoa amada.
 
GifPedir doces (Travessuras ou gostosuras) - Esse costume surgiu da tradição Irlandesa, quando um homem conduzia uma procissão para angariar contribuições dos agricultores, afim de que suas colheitas não fossem amaldiçoadas por demônios. Um paralelo que podemos fazer é que as crianças representam os demônios, porque elas saem pedindo doces e dizendo: "Doces ou travessuras?". Assim, quando elas não conseguem os doces, fazem as travessuras aos que negaram. Assim, o agricultor pedia alguma coisa para dar de oferta aos demônios. Outra explicação para este símbolo é que esta  brincadeira existente desde o século IX consistia em as pessoas fazerem  os “bolos das almas” com massa simples e cobertura de groselha para entregar às crianças que, devidamente fantasiadas, batiam de porta em porta para pedir os bolos. Em troca de cada pedaço de bolo, a criança se comprometia a rezar pela alma de um parente de quem lhe ofereceu. 

 
GifBruxas: são as principais simbologias dessa festa. As histórias contam que as bruxas participavam de festas realizadas pelo diabo, que normalmente eram realizadas em 30 de abril e 31 de outubro. Tal crença chegou aos Estados Unidos por seus colonizadores e a partir daí se espalhou por todo o mundo, tomando várias formas diferentes.
 
 

As cores utilizadas no Halloween também tem seus significados:
 

Laranja: cor que traz vitalidade, energia e força. Acreditam que os espíritos se aproximavam dos que estavam de laranja para lhe sugar as energias.
Preto: cor predominante dos magos, bruxas, feiticeiras e sacerdotes do mestre das trevas.
Roxo: simboliza a magia presente em toda a comemoração de halloween.
 
GifHalloween á luz de nossa fé e da Palavra de Deus
 
Atualmente, o crescimento da apostasia na fé e também o crescimento de grupos religiosos ligados à bruxaria e ao satanismo são visíveis, porque as pessoas vivem como acham que devem, e a Bíblia nos alerta a este respeito: "Mas o Espírito expressamente diz: que nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrina de demônios”. (1 Tm 4,1). Lembre-se que "a nossa luta não é contra carne, mas contra potestades, principados e príncipes das trevas, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais". (Ef 6 ,12).
Pessoas que participam desta festa têm que se conscientizar que o Halloween traz conseqüências.  Neste tipo de ritual encontramos a Necromancia, o animismo, o Politeísmo e outras práticas pagãs, que não condizem com as Sagradas Escrituras e com os preceitos que a nossa Igreja professa. É muito triste que hoje em dia muitas escolas obrigam os cristãos a participarem desta festa terrível. 
 
Então vamos examinar esse assunto para chegarmos a uma posição bíblica sobre o Halloween.
Se na celebração de Halloween existem atividades envolvendo práticas genuinamente ocultistas, as Escrituras são claras em afirmar que devem ser evitadas. Tanto o Antigo como o Novo Testamento fazem referência às práticas de bruxaria, encantamentos, espiritismo, contatos com os mortos, adivinhações e assim por diante – e todas essas coisas estão potencialmente ligadas ao Halloween.
 
Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus” (Levítico 19,31).
 
“Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; … Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa” (Deuteronômio 18,10-11.14) .
 
Em Atos 16, em Filipos, uma menina possessa de espírito adivinhador perdeu seus poderes demoníacos quando o espírito maligno foi expulso por Paulo. A questão interessante aqui é que Paulo se recusou a permitir que até declarações boas fossem feitas por uma pessoa sob influência demoníaca. Atos 19 mostra os novos convertidos bruscamente quebrando os laços com suas prévias práticas do ocultismo ao confessar, mostrar suas más ações e ao trazer seus apetrechos de magia para queimá-los na frente de todos (Atos 19,19).
Vemos assim que a tradição de comemorar as bruxas ou outros espíritos, não é cristã e deve ser evitada, ainda que tenha apenas uma conotação folclórica. Devemos, sim, celebrar o dia de todos os Santos. Esses são reais e verdadeiros, são modelos de vida para nós e, diante de Deus intercedem por nós sem cessar.É bom lembrar a recomendação de São Paulo: “As coisas que os pagãos sacrificam, sacrificam-nas a demônios e não a Deus. E eu não quero que tenhais comunhão com os demônios. Não podeis beber ao mesmo tempo o cálice do Senhor e o cálice dos demônios. Não podeis participar ao mesmo tempo da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou queremos provocar a ira do Senhor? Acaso somos mais fortes do que ele?” (1 Cor 10,19-22)  
  

Gif

Por isso cristãos cuidado com essa festa que tão sorrateiramente vem entrando em nossas casas, escolas e até mesmo em nossas igrejas ( ai eu me refiro a todas as igrejas cristãs) como se fosse uma festa inocente, somente uma brincadeirinha! Sejamos imitadores de Cristo e não imitadores do mundo, das práticas hollywodianas a que nosso povo é tão fortemente influenciado!  


Crisma Paróquia Nossa Senhora da Conceição- 21/10/2012

A crisma é o sacramento que nos dá o Espírito Santo e confirma o nosso compromisso pessoal com Cristo Jesus.
 
Aconteceu no dia 21 de outubro a Crisma de 94 jovens na Paróquia da Conceição. A missa, presidida por nosso bispo Dom Emanuel, ocorreu na Capela de Santo Antônio. Foi um momento muito forte e bonito. Em toda a celebração pode ser sentida a ação do Espírito Santo sobre todos ali presente. Veja algumas fotos deste momento tão lindo!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Celebração em preparação á crisma


Nos dias que antecederam a crisma realizamos com os crismandos e familiares/ padrinhos uma celebração em preparação à crisma. Foi um momento forte de oração e cheio de simbolismo. Foi muito legal!
 
 
Mantra: Oh luz  do Senhor que vem sobre a terra, inunda meu ser permanece em nós! (2X)
Acolhida
Invocação á Santíssima Trindade cantando
Catequista: Vamos rezar este salmo pedindo que o Espírito Santo venha sobre nós e habite este lugar:
Ref: Enviai o vosso Espírito Senhor! Enviai o vosso Espírito Senhor! E da terra toda a face renovai! E da terra toda a face renovai!
O minh`alma bendize ao Senhor: "O Deus grande em poder e amor, o esplendor de tua glória reluz o céu e teu manto de luz".
Firme e sólida a terra fundastes, com o azul do oceano a enfeitastes! E rebentam tuas fontes nos vales, correm as águas e cantam as aves.  
Lá  do alto céu, tu regas os campos, cresce a relva e os viventes se fartam. De tuas obras a terra enchestes, toda belas e sábias fizeste.
Se escondes tua face, todos se apavoram. Se lhes retiras o ar, já se enterram; teu Espírito sopra, todas as coisas renovas na terra!
Recordação da vida- Recordar a caminhada dos crismandos na catequese até chegar no momento de receber a crisma.
1º momento- Batismo fonte de graça e vida-convidar os participantes a uma recordação de elementos importantes do batismo: local da celebração, padrinhos, padre, símbolos do batismo, rito do batismo.( no máximo 20 minutos de partilha)
Palavra de Deus-
Aclamação ao Evangelho
Texto bíblico: João 14,15-20 (silêncio; meditação; partilha)
2º Rito da crisma- mostrar para os participantes o rito da crisma .( no máximo 20 minutos)
Renovação das promessas do batismo- renovamos a nossa intenção de ser de Cristo, pois o Batismo confirma a conversão e nos compromete , homem-novo, com Jesus e o seu Reino.
Imposição das mãos- este é um gesto sacramental muito antigo. Este gesto é reconhecido pela tradição católica como a origem do sacramento da Crisma, que dá continuidade à Pentecostes.
Unção do óleo- sinal de consagração. O cristão deve manifestar por todos os locais que passam o bom "perfume"de Cristo. A unção com óleo perfumado recorda o dom do Espiríto Santo aos crismandos, que se torna um cristão maduro na fé, pronto para exercer sua missão , dando testemunho de Cristo.
Música: Sim eu quero que a luz de Deus que em dia em mim brilhou...
 
3º momento- Oração pedindo o dom do Espírito Santo ( neste momento acender 07 velas e cada vela será colocada por um crismando próximo a uma faixa com um dom)

Animador: Peçamos ao Espírito Santo que venha nos iluminar com seus dons, cantando:

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Leitor : O dom da sabedoria é o dom do conhecimento de Deus. O Espírito Santo nos faz sábios para conhecer o amor de Deus e experimentar a sua bondade. A sabedoria divina não se compara a sabedoria humana. Para consegui-la não é necessário ter diploma. È preciso ter um coração puro e verdadeiro.

Todos: Senhor daí-nos sabedoria para fazermos a vossa vontade para vivermos em paz e harmonia, saboreando a vossa vontade.

Leitor : O dom do entendimento é o dom da descoberta da vontade de Deus no dia-a-dia de nossa vida. Compreendendo sempre melhor a Palavra de Deus e os ensinamentos da Igreja, vamos entendo com clareza as situações difíceis que nos envolvem e nos impulsionam a lutar por condições de vida mais dignas e justas para todos em nossa sociedade e em nossa comunidade.

Todos: Senhor daí-nos entendimento e compreensão de vivência cristã, para juntarmos os nossos talentos e construirmos um novo amanhã.

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Leitor : O dom da ciência é o dom de discernirmos entre o bem e o mal, levando-nos a perceber a salvação que nos vem do Pai, pelo Filho, no Espírito Santo. O dom da ciência nos faz ver e encontrar Deus em tudo que existe. Por meio das coisas criadas, chegamos ao conhecimento e ao amor do Criador, que nos chama viver em comunidade.

Todos: Senhor, daí-nos sempre ciência, em nossas mentes descei vossa luz, para entendermos o amor - providência que tudo rege, preserva e conduz.

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Leitor : O dom do conselho é o dom do Espírito Santo que nos ajuda e orienta nas diversas situações da vida, mostrando-nos o melhor caminho a seguir, de acordo com a vontade de Deus. Acolhendo esse dom tornamo-nos novas criaturas e colaboramos, no anuncio do Reino. Por meio da participação na comunidade, dialogando fraternalmente com os irmãos, buscando soluções melhores para os problemas e animando aqueles que estão desanimados.

Todos: Senhor daí-nos o vosso conselho, seja a verdade melhor compreendida. Que nos busquemos no Santo Evangelho, vossa mensagem de amor e de vida.

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Leitor - O dom da fortaleza é o dom de perseverar no caminho de bem resistir às tentações sem desanimar. Em nossa vida, em nossas comunidades e em nossa sociedade, precisamos ser fortes para não sermos vencidos por ele. O Espírito nos comunica sua força, que nos permite passar por todos os sacrifícios e compromissos, assumindo-os com firmeza, segurança e alegria.

Todos: Senhor daí-nos a fortaleza, que nos conserva no vosso caminho. Que vossa força sustente a fraqueza, transforme a flor a maldade do espinho.

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Leitor- O dom da piedade é o dom de entregar-se a Deus e aos outros que precisam de nós, com misericórdia, gosto e alegria. Ter o dom da piedade não é ter pena de alguém, mas sim é ter um coração dócil a Deus. Ter o dom da piedade é cultivar com profundidade a oração e, por meio dela, compreender melhor o projeto de Deus para nós e para o povo, a fim de lançarmos em novas iniciativas cristãs. Pelo dom da piedade mostramos que a nossa comunhão com Deus se traduz em vida de amor para os irmãos.

Todos: Senhor, daí-nos a santa piedade para aprendemos a vos invocar. Os que confiam no vosso reino e na vossa bondade terão seu lugar.

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Leitor - O dom do temor de Deus não significa ter medo de Deus. O dom do temor de Deus caminha pela estrada do respeito para com Deus, reconhecendo-nos como suas criaturas e evitando-nos separar dele pelo pecado. É o temos de entristecermos o Pai, não correspondendo ao seu amor, ou ofende-lo no irmão. Por isso conscientes de nossas fraquezas, buscamos a vida da graça, que nos leva a amar ao próximo, sabendo perdoa-lhe sempre, como gostaríamos de ser perdoados.

Todos: Senhor, daí-nos o dom do temor que nos conduz ao respeito por vós. Não seja medo, mas fale do amor que desde sempre pusestes em nós.

Refrão: Vem Espírito Santo vem! Vem iluminar! (bis)

Rito do envio ( neste momento o catequista lava os pés do catequizando mostrando que o Reino de Deus é um reino de serviço a Deus na pessoa do irmão. Após a lavagem dos pés um outro catequista acolhe o crismando com um abraço e coloca um crucifixo em seu peito mostrando que o distintivo do cristão é a cruz)

Unção com óleo perfumado: Quando vocês forem ser crismados o bispo marcará a sua fronte com o óleo do crisma. Foi-nos dada uma missão: pelo bom exemplo, o “bom perfume” do amor, testemunhar Cristo aos nossos irmãos. Vamos assumir esse compromisso com entusiasmo e alegria.
( Envio dos crismandos)
Oração final: Senhor Jesus nós te agradecemos a estrada que percorremos juntos. Guiados pelo Espírito Santo, vamos no domingo confirmar o nosso batismo. Queremos nos comprometer a seguir suas pegadas, para conhecer e amar mais o teu Pai e os nossos irmãos. Que esta mesa de amizade, fruto da nossa partilha, nos ensine a viver como irmãos e amigos e a ser luz do mundo e sal da terra. Dá-nos tuas bênçãos. Amém.
Oração: Pai-nosso de mãos dadas (encerra-se com uma música a escolha)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 




 

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Celebração com pais e padrinhos- Crisma


No último dia 21 de outubro aconteceu em nossa Paróquia de Nossa Senhora da Conceição a crisma. Em preparação  à crisma realizamos algumas celebrações com motivações crismais. Dentre elas realizamos uma celebração com a família e os padrinhos. O ambiente escolhido foi a casa dos crismandos. Realizamos uma visita em todas as casas de nossos crismandos e procuramos conscientizá-los do valor e importância deste sacramento. Foi uma experiência muito rica e válida para nós. Postaremos o modelo da celebração e algumas fotos das visitas realizadas:


Celebração com inspiração crismal: familiares, padrinhos e crismandos

(O catequista acolhe a todos , fala do objetivo da celebração e da alegria de está reunido em família para celebrar este momento tão importante)

Mantra: Oh, luz do Senhor que vem sobre a terra, inunda meu ser permanece em nós! (2X)

Invocar a Santissima Trindade ( pode ser falado ou cantado)

Catequista: A crisma é um momento especial na vida deste jovens que decidiram se comprometer com a Igreja. Os pais e padrinhos também participam da alegria de acompanhar este jovem (dizer o nome) no caminho da preparação para a crisma. Mas é preciso que pais e padrinhos também sejam testemunhos de cristãos. Oremos juntos, invocando a luz do Espírito Santo.

Oração inicial: Espírito Santo, dai-nos o dom da sabedoria, a fim de que saibamos escolher o caminho de Cristo; dai-nos entendimento, para que possamos acolher o amor do Pai; dai-nos o dom do conselho, para decidirmos pela verdade e pela justiça; dai-nos a fortaleza, para sermos fortes nos momentos dificeis; dai-nos o dom da ciência, para conhecermos a beleza do mundo e reconhecermos que tudo vem de Deus; dai-nos o dom da piedade, para sermos capazes de rezar na hora da angústia e da esperança; dai-nos o dom do temor de Deus, para respeitamos e reconecermos o amor e a grandeza de Deus-Pai sobre todas as coisas. Vinde, Espírito Santo, ficai conosco  e derramai em nós as vossas bençãos. Em nome de Jesus. Amém.

Canto:
Vem Espírito Santo vem, vem iluminar (2X)
Nossas famílias vem iluminar/ esta família vem iluminar/ nossos crismandos vem iluminar/ toda a Igreja vem iluminar.
Vem Espírito Santo vem, vem iluminar .(2X)

Catequista: O Batismo é o primeiro sacramento da iniciação cristã. Pelo Batismo a pessoa se torna cristão e passa a fazer parte da família de Cristo: a Igreja.Ela recebe o Espirito que dá a vida.  Na Eucaristia o cristão passa a ser alimentado no caminho da vida, para se fortificarem e crescerem na fé. O corpo, sangue, alma e divindade de Cristo , dão sustento ao seguidor de Cristo. Na Crisma há a confirmação do Batismo, e através dele o cristão recebe o Espírito para o fortalecimento e a maturidade na fé.

Para conversar (aos crismandos) : O que a crisma? A partir do momento em que você receber o sacramento da crisma o que vai ocorrer em sua vida?

Palavra de Deus:
Canto de aclamação: " Estaremos aqui reunidos como estavam em Jerusalém, pois só quando vivemos unidos é que o Espírito Santo nos vem."
Texto bíblico: Ez 36,25-27

(Fazer uma breve reflexão bíblica ; importante envolver a todos os participantes para que também meditem o texto)

Canto:

Conheço um coração tão manso, humilde e sereno./  Que louva ao Pai por revelar Seu Nome aos pequenos. /Que tem o Dom de amar, que sabe perdoar/ e  deu a vida para nos salvar!
Jesus, manda Teu Espírito, para transformar meu coração (2x)
Ás vezes no meu peito bate um coração de pedra./  Magoado, frio, sem vida, aqui dentro ele me aperta./  Não quer saber de amar, nem sabe perdoar/ quer tudo e não sabe partilhar.
Jesus, manda Teu Espírito, para transformar meu coração (2x)
Lava, purifica e restaura-me de novo./  Serás o nosso Deus e nós seremos o Seu povo./  Derrama sobre nós, a água do amor/o Espírito de Deus nosso Senhor!
Jesus, manda Teu Espírito, para transformar meu coração (2x)

Para conversar:
Aos crismandos: como seu padrinho/madrinha e seus pais pode ajudar no seu crescimento espiritual?
Aos padrinhos/madrinhas e pais: o que vocês acham que o cristão atual deve fazer para testemunhar Jesus Cristo no cotidiano?

Catequista: Cada vez que renovamos as promessas do nosso Batismo renovamos o compromisso de renunciar ao mal e crer em Deus, fonte do bem. Vamos então crismandos, pais, madrinha/padrinho e catrequistas fazer a renovação das promessas do batismo:

Catequista: Para viver na liberdade de filhos e filhas de Deus, renunciais ao pecado?
Todos: Renuncio

Catequista: Para viver como irmãos e irmãs, renunciais a tudo o que vos possa desunir, para que o pecado não domine sobre vós?
Todos: Renuncio

Catequista: Para seguir Jesus Cristo, renunciais ao demônio, autor e princípio do pecado?
Todos: Renuncio

Catequista: Credes em Deus, Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra?
Todos: Creio

Catequista: Credes em Deus, Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, que nasceu da Virgem Maria, padeceu e foi sepultado, ressuscitou dos mortos e subiu ao céu?
Todos: Creio

Catequista: Credes no Espírito Santo, na santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição dos mortos e na vida eterna?
Todos: Creio

Oração final: Oração espontânea
Pai-nosso e consagração dos crismandos e familiares a Maria ( a consagração pode ser cantada)