Follow by Email

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Santo Antônio de Pádua- padroeiro da Comunidade



Origem rica de Santo Antônio
 “Jesus, embora fosse rico, se tornou pobre por causa de vocês, para com sua pobreza enriquecer vocês” (2Cor 8,9). E Santo Antônio, conforme nos conta a história, também nasceu de família rica. No dia 15 de agosto de 1195, nascia em Lisboa aquele que seria um grande santo de nossa Igreja. De família nobre seu pai Martinho de Bulhões, era governador de Lisboa e sua mãe Maria  Teresa Taveira, aparentada com Failo I, o quarto rei das Astúrias.Fernando vivia em um ambiente de luxo e riqueza, mas sempre conservou em seu coração a humildade e o chamado que sentia em seu coração de seguir bem de perto ao Senhor. 

A entrega de sua vida a Deus

Fernando queria responder seu chamado a Deus, por isso aos 15 anos decidiu-se tornar-se padre. Entrou no convento dos agostinianos. Lá passou dez anos estudando, sobretudo a Sagrada Escritura. Desejava porém dedicar-se mais ao serviço do Senhor. Conheceu naquele tempo os franciscanos, conheceu também a vida pobre que levava. Ao saber da história de cinco frades franciscanos mortos por  muçulmanos decidiu deixar a ordem agostiniana e ingressar na ordem franciscana, desejoso de também ser enviado a terra distantes para pregar. Ao entrar na ordem franciscana mudou seu nome para Antônio. Antônio teve que ter seu sonho de pregar em terras  longínquas adiado, pois em virtude de um a febre que contraiu na África teve que retornar . Na viagem de volta seu barco desviou-se da rota e foi parar na Sicília, onde ele pode ter um encontro com São Francisco de Assis . Com os irmãos franciscanos ele pode viver a verdadeira pobreza.

A pregação de Santo Antônio
Santo Antônio se destacou como exímio pregador da Palavra de Deus. A primeira vez que Antônio pregou foi num dia em que os outros padre, que estavam presentes na Igreja, não queriam que ele pregasse, mas falou tão bem que todos ficaram entusiasmados com suas palavras. Daquele dia em diante multidões de homens e mulheres procuravam escutá-lo. Antônio ao pregar o Evangelho não tinha medo de ferir os outros, sua preocupação  era falar somente  a verdade. Antônio em sua pregação insistia na conversão e na mudança de vida. Muitas vezes quando acabava de pregar grande era o número de pessoas que queriam receber o sacramento da confissão. 

O amor a Palavra, a Jesus e aos pobres

Santo Antônio durante toda a sua vida buscou fazer a vontade de Deus através da escuta e vivência da Palavra.Santo Antônio é chamado “doutor do Evangelho” pela grandeza com que soube pregá-lo. O propósito de seguir o Evangelho, na vida de Santo Antônio, foi certamente inspirado e fecundado pela graça divina. Sua trajetória, no entanto, foi motivada por um constante e renovado desejo de servir a Deus e aos irmãos necessitados, não só do pão material mas também do pão espiritual. Santo Antônio então tornou-se   tão imitador de Cristo em evangelizar os pobres e tão amigo do povo necessitado que, ainda hoje, é lembrado, amado e invocado pelas pessoas. Tal foi o seu amor ao Filho de Deus feito homem, que a pregação sobre o Mistério da Encarnação do Verbo era o ponto mais explorado por Antônio. Olhando para as imagens de Santo Antônio, percebemos que quase sempre, ele tem nos braços o menino Jesus. O menino Jesus às vezes está sentado sobre o livro do Evangelho ou de pé. Esta maneira de representar o santo vem do episódio acontecido em Camposampeiro e relatado pelo conde Tiso. Santo Antônio foi visto envolvido numa luz e sendo visitado pelo menino Jesus enquanto meditava sobre a Sagrada Escritura. Cheio de alegria, Antônio abraçava o menino Jesus e o beijava, contemplando-lhe a face com ardor incessante. Era tal o amor de Antônio pelo menino, que Maria resolve dar-lhe a alegria de tê-lo no colo, como ela o tivera em Belém. O significado mais profundo disto é que o santo viveu um encontro vital com Cristo através de sua Palavra, tornando-se grande evangelizador pelo exemplo e pregação. Viveu em sua vida o mandamento do amor: amai-vos uns aos outros como eu vos amei.Deste amor aos necessitados nasceu a tradição em se distribuir os pãezinhos de Santo Antônio.

 Os milagres de Santo Antônio
Muitos foram os fatos extraordinários que aconteceu na vida deste Santo. A sua relação de milagres valeram a sua canonização em menos de um ano, e é na história da Igreja a mais vasta e variada.De santo casamenteiro e restituidor do desaparecido, passando por livrador das tentações a Santo antônio tudo se pede. Eis alguns milagres:

  • Santo Antonio prega aos peixes. Reza a lenda que estando a pregar aos hereges em Rimini, estes não o quiseram escutar e viraram-lhe as costas. Sem desanimar, Santo Antônio vai até à beira da água, onde o rio conflui com o mar, e chama os peixes a escutá-lo, já que os homens não o querem ouvir. Dá-se então o milagre: multidões de peixes aproximam-se com a cabeça fora de água em atitude de escuta. Os hereges ficaram tão impressionados que logo se converteram. Este milagre encontra-se citado por diversos autores, tendo sido mesmo objeto de um sermão do Padre Antônio Vieira que é considerado uma das obras-primas da literatura portuguesa.
  • Santo Antônio livra o pai da forca. Tinha havido um crime de morte em Portugal, onde nascera Santo Antônio. Todas as suspeitas do crime recaíam sobre o pai do santo.Chegou o dia do julgamento. Os juízes estavam reunidos para proferir a sentença condenatória. Assentado ali no banco dos réus, seu pai não podia se defender.Nesse momento Santo Antônio estava fazendo um sermão numa igreja da Itália. Conta-se que, em dado instante, ele interrompeu o sermão e ficou imóvel, como se estivesse dormindo em pé. Durante esse mesmo tempo foi visto na sala do júri, em Portugal, conversando com os juízes. Entre outras coisas, disse-Ihes o santo: Por que tanta precipitação? Posso provar a inocência do meu pai. Venham comigo até o cemitério.Aceitaram o convite. Frei Antônio mandou abrir a cova do homem assassinado e perguntou ao defunto: "Meu irmão, diga perante todos, se foi meu pai quem matou você".Para espanto dos juízes e de todos que ali estavam, o defunto abriu a boca e disse devagar, como se estivesse medindo as palavras:"Não foi Martinho de Bulhões quem me matou". E tornou a calar-se. Estava provada de maneira milagrosa a inocência do seu pai. Mais uma vez a verdade triunfou sobre a mentira e a calúnia.Operou-se aí dois fatos milagrosos, a bilocação, ou ato de uma pessoa estar (por milagre) em dois locais ao mesmo tempo, e o poder de reanimar os mortos.
·                    Com o Menino Jesus nos braços: Outro milagre, também reportado na crônica do Santo, ocorre já no fim da sua vida e foi contado pelo conde Tiso aos confrades de Santo Antônio após sua morte. Estando o Santo em casa do conde Tiso, em Camposampiero, recolhido num quarto em oração, o conde, curioso, espreita pelas frinchas de uma porta a atitude de Frei Antônio; depara-se então uma cena miraculosa: a Virgem Maria entrega o Menino Jesus nos braços de Santo Antônio. O menino tendo os bracinhos enlaçados ao redor do pescoço do frade conversava com ele amigavelmente, arrebatando-o em doce contemplação. Sentindo-se observado, faz conde Tiso jurar que só contaria o visto após a sua morte.


  •  Santo Antônio pregava sobre o Santíssimo Sacramento em Toulouse, sul da França, ano 1227. No meio da pregação um senhor se levantou e o desafiou, contradizendo que a presença de Cristo na Hóstia Consagrada era uma mentira.Ele disse: - O Senhor pode discursar durante horas, mas a verdade é que os fatos reais estão contra seus argumentos. É impossível que Cristo esteja presente na Hóstia Consagrada.Santo Antônio lhe respondeu: - Que problema há, no corpo de Cristo estar velado pelas aparências do pão e do Vinho. Conforme suas Próprias palavras.E senhor incrédulo o desafia: - Não, não há problema. Contudo se Cristo está presente nesta Hóstia, sua presença deveria ser sentida por todas as criaturas viventes. Então pegarei minha mula, e na próxima missa estaremos aqui diante da Hóstia e se a mula a respeitar, acreditarei no senhor e na sua fé.Santo Antônio, após ouvir uma inspiração divina, resolve concordar com o desafio.Passou-se três dias, e uma multidão se aglomerou na praça, muitos pela missa e outros tantos para conferir o resultado do desafio do homem infiel. Enquanto Santo Antônio caminhava com o Santíssimo Sacramento e todos os católicos se colocavam de joelhos rezando. O senhor infiel chega conduzindo sua mula, a qual maliciosamente foi privada de alimento durante os últimos dias. Faminto, o animal estava tão violento que nem o próprio dono obedecia. Contudo, ao se aproximar do Santíssimo, a mula se acalmou, e diante de todos ali presentes, milagrosamente a mula se ajoelhou perante a Hóstia Consagrada ostentada por Santo Antônio.O Milagre gerou gritos e admiração por todos, os católicos entoaram cânticos emocionados. Muitos hereges que ali estavam por curiosidade se converteram ao catolicismo, assim como o senhor dono da mula que reconheceu imediatamente a presença de Cristo, se ajoelhou também se convertendo ao catolicismo após ter pedido perdão por ter sido tão incrédulo. 


 A morte de Santo Antônio de Pádua


Antônio já estava cansado de tanto ouvir a Palavra de Deus. Sentindo a morte chegar decidiu empregar todo o tempo possível para a contemplação e a oração. Foi viver em choupanas em uma floresta perto de Pádua. Assim no silêncio da selva levantaram uma cela para Antônio: a última morada para um homem que tinha nascido num palácio. No ano de 1231, no dia 13 de Junho ao meio-dia santo Antônio foi tomar parte na refeição comum. sentiu-se mal e achando que na cidade poderia ser melhor cuidado levaram-no para Pádua. Faleceu no caminho após confessar-se e receber a unção dos enfermos. Santo Antônio deixou para nós muitos ensinamentos e o principal deles foi o amor a Deus e aos irmãos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário